Ir para conteúdo


Foto

Discussão: Por que streaming de jogos ~provavelmete~ nunca vai dar certo?


  • Por favor, faça o login para responder
26 respostas neste tópico

#1 wowbagger_84

Postado 19 maro 2019 - 17:52

Streaming de jogos é uma ideia castelo de areia construída em cima de pouca ciência e muito otimismo. E eu vou explicar por quê isso nunca vai funcionar direito, ou vai funcionar mal demais pra ser relevante enquanto você tiver opções melhores.

 

O resumo, para quem tem preguiça de ler tudo, é o seguinte: há limites físicos incontornáveis na velocidade de conexão de rede que liga você a qualquer coisa na Internet e isso vai ter impacto na qualidade dos jogos, tanto no gameplay como graficamente. Outros problemas ainda são relacionados a custos e algumas questões sobre como serviços do tipo se comportarão no longo prazo também ficam em aberto.

 

O problema físico

 

Vamos lá. A velocidade da luz é de 300 mil quilômetros por segundo (mas vamos usar ela aqui em metros para deixar todas as nossas continhas na mesma escala de medida. Por conta disso, vamos com 300 milhões de metros por segundo).

 

Aí vamos dizer que você mora em Bagé (RS) e quer se comunicar com servidores que, no nosso exemplo, ficam em Manaus (AM). A distância entre essas duas cidades é de arredondados 4.800 km (isso são 4.800.000 de metros). Curiosamente, é quase a mesma distância entre Los Angeles e Boston, nos Estados Unidos.

 

Quanto tempo leva para um sinal luminoso cobrir essa distância?

 

A conta é fácil, e como você foi pra aula, sabe que:

 

Tempo = distância/velocidade

Tempo = 5.000.000/300.000.000

Tempo = 5/300

Tempo = 0,017 segundos

 

Isso quer dizer que, se a sua conexão entre Bagé e Manaus for numa linha rigorosamente reta, usar fibra ótica perfeita, de altíssima qualidade e que não sofra de atenuação e que ainda por cima atinja a velocidade da luz no vácuo (dica: a velocidade da luz na fibra ótica é mais lenta que o que usamos no cálculo, o que quer dizer que na prática vai demorar bem mais de 0,017 segundos); você teria um período OBRIGATÓRIO de latência de 0,017 na sua comunicação.

 

“Pô, mas 0,017 segundos é muito rápido!”

 

É. Pra mandar bobagem no WhatsApp, mas não para jogar.

 

Esses 0,017 segundos vão entrar numa conta que ainda considera: o delay que existe da sua ação de pressionar um botão no controle (ou na tela do celular, como querem os neófitos), o processamento do servidor do outro lado da conexão, a ação do hardware do servidor em condensar imagem e som em um vídeo, retorno desses dados até você e, por fim, o processamento do seu dispositivo local que vai decodificar a informação recebida em som e imagem na tela.

 

Então vamos dizer que no nosso serviço de games na nuvem que você usa a partir de Bagé leva-se 17 milissegundos para mandar dados até Manaus. Aí vamos dizer que o servidor que processa e efetivamente roda o jogo é uma máquina alienígena, feita com sonhos e as lágrimas apaixonadas dos neófitos, capaz de processar tudo em 0 milissegundos. Resta ainda a necessidade de devolver os dados até você, o que são outros 17 milissegundos.

 

Digamos que seu hardware também seja mágico e decodifique som e imagem instantaneamente e teremos um “pedágio” em forma de tempo para cada frame de 34 milissegundos (17+17).

 

Veja bem que, além dos nossos servidores e computadores mágicos, estamos usando uma conexão de rede que não existe porque:

 

- não há Internet na velocidade da luz no vácuo

- dados os custos de energia e operação no Brasil, você não vai ter servidores desses serviços por aqui, o que quer dizer conectividade com servidores ainda mais distantes

- em geral, a infraestrutura que te liga com o resto do mundo varia muito em qualidade e tecnologia, e isso significa que você pode ter perdas de performance simplesmente impossíveis de prever no meio do caminho

- a internet funciona com protocolos de roteamento que não vão levar diretamente seus dados do ponto A ao B, o que quer dizer que o intervalo da viagem da informação entre os dois pontos pode variar o tempo todo (embora nunca abaixo dos 17 milissegundos de puro amor e otimismo que nós usamos nas nossas continhas).

- nenhum desses fatores depende da largura de banda que você possui. Não importa se você tem Internet foderosa da Copel porque o gargalo está nos protocolos de roteamento e na infra que a rede usa para te ligar com os servers que estarão longe de você.

- se o jogo for multiplayer tem ainda um outro problema: o sincronismo com o servidor que roda o jogo no multiplayer e que pode incluir aí muitos milissegundos a mais de pedágio (isso, contudo, pode ser mais facilmente contornável)

 

Dito essas coisas, fica a pergunta: um streaming de games com 34 milissegundos de delay incomoda? É perceptível?

 

Eu digo que sim. Mas é provável que a maioria das pessoas ou não perceba, ou não se incomode com isso.

 

O que são 34 milissegundos?

 

Eu não escolhi os dois pontos a 4.800 km de distância arbitrariamente. A razão é que eu sabia que o resultado seria 34 milissegundos, que é basicamente o mesmo intervalo entre cada frame numa taxa de 30 FPS. Explicando melhor: num jogo que roda a 30 FPS, cada um desses 30 frames por segundo fica 33 milissegundos na tela (num jogo a 60 FPS, são 16 milissegundos por frame).

 

Isso quer dizer que para o serviço de streaming (que usa Internet que não existe, fibra ótica que desafia a física e hardware movido a sonho de gente que fugiu da escola nas aulas de física) funcionar a 60 FPS, haverá um delay significativo, já que cada pacote de informação vai gastar 34 milissegundos no nosso cenário ideal para ir e voltar.

 

Resumindo: você pode até jogar em 60 FPS, mas a compensação será algum tipo de delay.

 

Isso significa que jogos em que precisão e agilidade são preponderantes – luta, simuladores de corrida – não serão muito bons. Outro problema são jogos multiplayer – há toda uma camada a mais de troca de dados para a coisa rodar em sincronia com os outros jogadores no mapa – também podem sofrer. Por outro lado, títulos single-player em que precisão e agilidade nos controles não são tão importante podem rodar de forma aceitável.

 

Perda de qualidade de imagem

 

Num serviço de streaming de jogos, você não consome o jogo renderizado no seu estado bruto de som e imagem. O que você consome é um vídeo que justamente por ser um vídeo terá problemas de compressão, o que vai representar em alguma medida de perda de informação – profundidade de cores é um bom exemplo.

 

As pessoas vão engolir isso?

 

Ah, vão sim. Muitos já estão. O que não é ruim – cada um consome o que der vontade – mas lança questões interessantes sobre o futuro dos games e das plataformas, que talvez a gente possa discutir no tópico.

 

O que eu quero chamar a atenção é que isso vai enfrentar resistência de muita gente e corporações. No limite, plataformas de jogos na nuvem vão detonar o mercado de hardware (em todos os sentidos, da APU do PS4 à placa de vídeo obscenamente cara da Nvidia).

 

Outros problemas são questões mais centradas nos mercados onde isso tudo tem que funcionar para dar certo. Nos Estados Unidos, por exemplo: lá praticamente tudo funciona com franquias e é questionável até que ponto o consumidor estará interessado em detonar a franquia mensal de Internet em jogos. Outros poréns é que o cara que, mesmo lá, tem grana para um serviço de Internet de banda larga e alta qualidade, e tem a sorte de morar bem perto do servidores (e mesmo assim os protocolos de rede da Internet estão aí para foder com o tráfego dele) deve ter renda suficiente para simplesmente ter um console/PC e jogar localmente.

 

Outro fator que os neófitos ignoram diretamente é que não dá para universalizar jogos, como essa bobajada do Stadia do Google diz que vai fazer, simplesmente porque públicos são diferentes: o cara que joga loot games no Android dificilmente, os Candy Crush da vida, não vai jogar Devil May Cry de uma hora pra outra e o inverso também é verdade.

 

E aí entra o problema da casualidade: o gamer casual não é só o que joga jogos mais simples, e muitos de qualidade duvidosa, é também o que investe pouco tempo e dinheiro nesse hobby. Se o cara gasta pouco em jogos porque é casual e tem interesse passageiro no assunto, por que diabos ele vai assinar um serviço desses se tudo que ele precisa roda free-to-play no celular ou no notebook da Casas Bahia?

 

Por fim, minha leitura disso: streaming é uma forma de controle DRM. Só isso. É um tipo de modelo de negócios em que o consumidor não é dono de nada, você assina uma plataforma que tem controle total sobre o produto – inclusive o de tirar ele do ar quando der vontade, algo recorrente no PS Now, por exemplo.

 

Pode ser que dê certo – a tolerância média do consumidor para engolir bosta é algo que não cansa de surpreender, taí os babacas gastando 10 paus em placa RTX ou mais em notebook gamer – mas eu ainda acho que isso vai morrer uma morte bem engraçada em pouco tempo.

 


wowbagger_84.png


#2 UGO_HOT

Postado 19 maro 2019 - 17:56

Aí vamos dizer que você mora em Bagé (RS) e quer se comunicar com servidores que, no nosso exemplo, ficam em Manaus (AM).

 

 

é por isso que não temos servidores no brasil ainda, mas nos eua isso não é empecilho.


C410_m310.png

C410_m310-hall.png?0.760165960461

Spoiler

Recomendacões


#3 wowbagger_84

Postado 19 maro 2019 - 18:01

é por isso que não temos servidores no brasil ainda, mas nos eua isso não é empecilho.

 

Lê o resto, meu jovem. O Google até tem essa infra toda em servers para isso, mas os problemas transcendem distâncias dada a forma como a Internet funciona.

 

E note que esse tipo de distância separa mais do que a costa leste da oeste americana e não vai ter farm em todos os estados e regiões de qualquer forma.


wowbagger_84.png


#4 WerneyPark

  •  WerneyPark
  • Nome:It's my ID <3

Postado 19 maro 2019 - 18:12

Accel World é o futuro  :champion: #EuConfio


WerneyPark.jpg

Spoiler

Recomendações 22xD / Vendinha \0/ / Emprestimo/Lista de Desejos / MyAnimeList <3 / Let's Play SAO

"casualmente" ganhos #^_^#

Spoiler
"Gostar da pessoa vem com o tempo, a primeira vista você se interessa pela pessoa por algum motivo, físico ou alguma coisa assim, ai você passa a gostar dela pelas qualidades, e você passa a amar pelos defeitos"

#5 kabanas22

  • Nome:Ruan Raul

Postado 19 maro 2019 - 18:23

Discuti agoriha mesmo com dois brothers sobre essa novo console da Google. Um dos dois amigos iludido com este Google Stadia, iludido com a pontuação imposta na matéria...

 

eu cheguei falando: provavelmente utilizaram um dos servidores fodão da google pra jogar e certamente o servidor streaming esteja no mesmo local de trabalho (se bobear estava rodado localmente ainda essa merda) e com a internet infinita fica lindo mesmo os gráficos, rodar em 4k em delay e granulação na tela. 

ai o outro amigo pra bater o prego do caixão mandou: Aqui na nossa cidade (moramos no interior do ES, net normal nas casas são de 4 a 6 mega download e 1 a 2 mega de upload, chega aprox. 450kbps de down a net de 4mega, custando 80 reais) com a internet é praticamente impossível assistir filmes na Netflix em 4k limpo, imagina jogar  

o outro amigo só ficou quieto, concordou com os nossos argumentos e voltamos a trabalhar 



#6 gabriellobo1101

  •  gabriel.castro.lobo
  • Nome:Gabriel Lobo

Postado 19 maro 2019 - 18:29

Belo texto e concordo com o que foi exposto.

Há uns posts atrás (outro tópico), escrevi que o PSNow, no brasil, é utopia.

A qualidade do serviço e a área de abrangência demonstra que o país tem suas divisões. Sempre morei na Zona Norte de SP/SP, e por incrível que pareça, na avenida que cruza a rua onde moro, tem internet fibra, mas na minha rua não, pois ela dá acesso a "área de risco" do bairro. (PS. Nunca ouvi falar de roubo ou qualquer outra maracutaia em sinal de TV, etc.).

Assim, só por este fato demonstra que estamos muito longe de ter um mercado que possa contemplar e crescer de forma exponencial, pois o próprio serviço oferecido é limitado a um grupo "x" de pessoas.

Tirando isso de lado, o povo gosta da comprar bosta e, mesmo que não poderá usufruir em sua integralidade, bem como correr o risco de a qualquer momento ter o servidor fechado, ou seja, "peguei seu dinheiro, e p.. no seu c."), vai gastar horrores no começo. Depois cairá na consciência e aí a curva de ascensão começará a cair, mas até lá, ganhou-se muito dinheiro.

E com respeito ao texto, este tempo faz muita diferença, hoje não jogo COD on line justamente por isso, minha net é lenta e sempre me ferro, quando dou o tiro, já estou morto.

Então, as desenvolvedoras devem pensar muito bem o futuro que querem, clientes fieis, raiz, ou os modinha da vida e que não durarão.

E eu sou um deles, sou raiz, gosto de jogos desde meus 7/8 anos de idade e jogo até hoje, gasto bem com jogos (físicos e digitais) e pretendo não parar mas, esta decisão dependerá do futuro que eles querem.

Outubro-rosa-novembro-azul.jpggabriellobo1101.png

"What we do in life echoes in eternity"

"Juris praecepta sunt haec:Honeste vivere, alterum non laedere, suun cuique tribuere"

Recomendações | Vendas | My Book - 2016

Guias: Actual Sunlight | Age of Zombies | Among the Sleep | Asemblance | Back to Bed | Baseball Riot | Beyond Eyes | Dear Esther Landmark Edition | Element4l | Energy Invasion | Entwined | F1 2010 | F1 2011 (Vita) | F1 2011 (PS3) | F1 2014 | F1 2015 | Horse Racing | I and Me | Knot | Last Wings | Metrico | Mixups by POWGI | Nihilumbra | One Word by POWGI | Pillar | Pneuma: Breath of Life | Project Cars | Splice | Three Fourths Home: Extended Edition | Type: Rider

Canal YouTube - MyPst | Denúncia: denuncia@mypst.com.br


#7 Evildead_br

Postado 19 maro 2019 - 18:43

Nunca é uma palavra forte. Mas que é bem improvável que vá funcionar, isso é. :) Entretanto, uma coisa é certa: se existe uma empresa que pode fazer o streaming de jogos dar certo, essa empresa é a Google.



#8 wowbagger_84

Postado 19 maro 2019 - 19:16

Belo texto e concordo com o que foi exposto.

Há uns posts atrás (outro tópico), escrevi que o PSNow, no brasil, é utopia.

A qualidade do serviço e a área de abrangência demonstra que o país tem suas divisões. Sempre morei na Zona Norte de SP/SP, e por incrível que pareça, na avenida que cruza a rua onde moro, tem internet fibra, mas na minha rua não, pois ela dá acesso a "área de risco" do bairro. (PS. Nunca ouvi falar de roubo ou qualquer outra maracutaia em sinal de TV, etc.).

Assim, só por este fato demonstra que estamos muito longe de ter um mercado que possa contemplar e crescer de forma exponencial, pois o próprio serviço oferecido é limitado a um grupo "x" de pessoas.

Tirando isso de lado, o povo gosta da comprar bosta e, mesmo que não poderá usufruir em sua integralidade, bem como correr o risco de a qualquer momento ter o servidor fechado, ou seja, "peguei seu dinheiro, e p.. no seu c."), vai gastar horrores no começo. Depois cairá na consciência e aí a curva de ascensão começará a cair, mas até lá, ganhou-se muito dinheiro.

E com respeito ao texto, este tempo faz muita diferença, hoje não jogo COD on line justamente por isso, minha net é lenta e sempre me ferro, quando dou o tiro, já estou morto.

Então, as desenvolvedoras devem pensar muito bem o futuro que querem, clientes fieis, raiz, ou os modinha da vida e que não durarão.

E eu sou um deles, sou raiz, gosto de jogos desde meus 7/8 anos de idade e jogo até hoje, gasto bem com jogos (físicos e digitais) e pretendo não parar mas, esta decisão dependerá do futuro que eles querem.

 
O buraco é bem mais embaixo. Isso aqui tá em inglês, mas mostra como mesmo nos Estados Unidos serviços de Internet são, na média, bem ruins a ponto de a mídia lá mesmo questionar até onde isso vai dar certo.
 

Nunca é uma palavra forte. Mas que é bem improvável que vá funcionar, isso é. :) Entretanto, uma coisa é certa: se existe uma empresa que pode fazer o streaming de jogos dar certo, essa empresa é a Google.

 
Tem um outro problema: digamos que isso estreie com um precinho bem baixo e milhões e milhões e milhões de pessoas corram para assinar.
 
O problema é que, hoje, você roda no servidor um jogo por GPU, não tem saída para isso. E aí, como faz se bombar? Até que ponto o custo de abrir milhões de novos servidores é viável?

wowbagger_84.png


#9 CristianScarface

Postado 19 maro 2019 - 20:11

Quem jogar vai lembrar pra sempre da experiencia de uma partida de tiro por exemplo com servidores só nos EUA como de costume, ou na melhor das hipóteses com mais 1 servidor na Europa. Aperta pra atirar e o jogo responde 5 segundos depois... Microsoft já fez uma demostração do Xcloud com um lag monstro, isso com o servidor do lado em ambiente controlado


CristianScarface.png

 

VendasRecomendações | Procuro Jogos e DLC's

 

Spoiler

#10 regislc30

Postado 19 maro 2019 - 20:50

Uma empresa como a Google, que já tem muito no hall com streaming, não se meteria num projeto tão ambicioso como esse se não fosse pra dar certo. Isso eles já vêm estudando há muito tempo. Não é algo novo. Pode até ser que não saia perfeito como eles demonstraram, mas tenho confiança nesse sistema. O fato de aqui no Brasil os serviços de stream não serem bons (os que funcionam) não implica dizer que lá fora (onde os servidores estarão perto dos jogadores) será um fracasso. Pelo contrário. Torço pra que dê certo e que no futuro chegue aqui também. 


Editado por regislc30, 19 maro 2019 - 20:51.

regislc30.png     regislc30.png
 
 
Minhas recomendações


#11 Evildead_br

Postado 19 maro 2019 - 20:56

 
O buraco é bem mais embaixo. Isso aqui tá em inglês, mas mostra como mesmo nos Estados Unidos serviços de Internet são, na média, bem ruins a ponto de a mídia lá mesmo questionar até onde isso vai dar certo.
 
 
Tem um outro problema: digamos que isso estreie com um precinho bem baixo e milhões e milhões e milhões de pessoas corram para assinar.
 
O problema é que, hoje, você roda no servidor um jogo por GPU, não tem saída para isso. E aí, como faz se bombar? Até que ponto o custo de abrir milhões de novos servidores é viável?

Você tocou num ponto interessante. Se bombar eles realmente também terão problema. E aumentar os preços não é tão simples assim. Sabe quando se vai naquele restaurante que "dá" a sobremesa de graça e se trona um cliente? Ok. Aí 2 meses depois o restaurante deixa de dar a sobremesa ou aumenta o preço por não conseguir manter a sobremesa gratuita. Nem todos voltam ao restaurante. :)



#12 Tio_Maluco

    A única coisa em que todos somos iguais…é na morte.



  • 6.162 posts
  • Perfil no Portal
  • Nome:Jeff Neves Bisotto

Postado 19 maro 2019 - 20:58

Discuti agoriha mesmo com dois brothers sobre essa novo console da Google. Um dos dois amigos iludido com este Google Stadia, iludido com a pontuação imposta na matéria...

 

eu cheguei falando: provavelmente utilizaram um dos servidores fodão da google pra jogar e certamente o servidor streaming esteja no mesmo local de trabalho (se bobear estava rodado localmente ainda essa merda) e com a internet infinita fica lindo mesmo os gráficos, rodar em 4k em delay e granulação na tela. 

ai o outro amigo pra bater o prego do caixão mandou: Aqui na nossa cidade (moramos no interior do ES, net normal nas casas são de 4 a 6 mega download e 1 a 2 mega de upload, chega aprox. 450kbps de down a net de 4mega, custando 80 reais) com a internet é praticamente impossível assistir filmes na Netflix em 4k limpo, imagina jogar  

o outro amigo só ficou quieto, concordou com os nossos argumentos e voltamos a trabalhar 

Só para corrigir, na netflix para ver fulhd, 1080p, nitidos precisa de 8 megas de internet disponivel. Para 4k imagino que seja acima dos 15 megas. E olha que estamos falando de filmes e não jogos onde exigem uma conexão mais rápida devido aos comandos


All Hail the God PS4!!!

Tio_Maluco.png?0.349460984426s-l300.jpg


#13 wowbagger_84

Postado 19 maro 2019 - 22:13

O Digital Foundry - como esses caras são fodas - testaram o Stadia. Resumindo, por que o vídeo é longo e está em inglês, tanto como o artigo.

Assassins Creed Odyssey, rodando em Full HD a 30 FPS no ambiente super controlado do Google atingiu 166 milissegundos de latência. No ano passado, naquele beta do serviço, eles detectaram 179 milissegundos numa conexão de 200 mega.

 

Ou seja, não parece muito bom.

Eles notaram ainda artefatos de compressão de imagens no resultado final.
 


wowbagger_84.png


#14 NaniFelipe

    Se preocupação nos salvassem, eu me preocuparia o dia todo


  • 4.278 posts
  • Perfil no Portal
  •  Felipe Nani

Postado 19 maro 2019 - 23:00

Sinceramente, achava muito mais viável uma televisão que já viesse com opções de baixar e rodar os jogos do PS4, XBOX ou Switch e Steam, do que isso. porque basicamente, as tvs tem conexões a internet hoje, a qualidade de processamento delas é imenso, seria adaptar para o videogame entrar nela ( e olhando o tamanho dos videogames, não acho impossível adequarem numa televisão!!!! ), com isso aumentando a compra de jogos digitais ( isso sim o caminho ), até a Gold do Xbox se tornaria interessante, aí sim partir para uma streaming de jogos.

 

Mas como a moda agora é tudo online ( até minha empresa quer mandar os pedidos em NUVEM e ferrou com um sistema de envio ótimo que tinha ), acaba que dão um passo maior que a perna, principalmente por forçarem demais um recurso que um número limitado de pessoas poderão adquirir e usar razoavelmente. 

 

Mas como todo ano a Google lança um produto mirabolante, como o Google Glass, acho que de 2013, em 2015 deixou de vender os protótipos para as pessoas e comercializou apenas com as empresas e ano passado estavam mudando completamente o projeto, pois o produto final havia ficado muito ruim e aquém das expectativas. Este serviço tem grandes chances de ter o mesmo destino do Google Glass.


Imagem Postada


#15 WhBlaze

Postado 19 maro 2019 - 23:27

 

 

é o retorno do onlive poh

tudo é mágico, perfeito, brilhante, funcional e lindo... até alguém usar e tentar jogar um jogo de corrida online... yei...

 

 

Falando serio por um segundo, eu acho que andamos dando passos mais longos do que a perna, internet (e o próprio youtube) se tornou a casa de todos os experts do mundo para cada assunto especifico, todo mundo entende de tudo, prega o futuro, mata mídias e por ai vai. Nós ainda nem tivemos a reação sobre o fechamento de servidores do ps3 e xbox360 (Ou seja, não sabemos se ele vem com revolta pelo orçamento perdido ou aceitação, afinal, foram os primeiros que o pessoal gastou algo) e já tivemos os assassinos de bluray, a internet magica, onlive é o futuro, ouya é brilhante, o retorno do cartucho/sd/flash card (que é o mais irritante pra mim, pois meu 3ds vive dando chilique com pinos e conectores... isso quando não é a merda da mola..) e agora isso...

 

Assim como você eu não acredito que vá da certo, para mim, o onlive foi a prova definitiva desse devaneio de verão, onde pessoas surtaram gritando "the futwa!" e rapidamente quebraram a cara. Mesmo para USa e Japão (dois dos maiores mercados) essa ideia é muito inviável e o próprio streaming de filmes andou tendo problemas, sendo forçado a subir o preço, começando a sobrecarregar com múltiplos serviços e pouco a pouco, se tornando algo similar a uma tv a cabo (modelo americano) com dez bilhões de canais e apenas uma cosia para se ver.
Enfim, são muitas avenidas e futuros prováveis jamais explorados, coisas que o mundo em si ainda não se adaptou mas o pessoal mais novo parece não entender e achar que são uma certeza \8
Serio, única diversão que eu tenho sobre essas bagunças é me divertir com os profetas do conhecimento pregando sua sabedoria e quando finalmente acontece, caindo a ficha e falando o contrario como se nunca tivessem dado o atestado de ignorância seletiva 8D

 

 

 

Sinceramente, achava muito mais viável uma televisão que já viesse com opções de baixar e rodar os jogos do PS4, XBOX ou Switch e Steam, do que isso. porque basicamente, as tvs tem conexões a internet hoje, a qualidade de processamento delas é imenso, seria adaptar para o videogame entrar nela ( e olhando o tamanho dos videogames, não acho impossível adequarem numa televisão!!!! ), com isso aumentando a compra de jogos digitais ( isso sim o caminho ), até a Gold do Xbox se tornaria interessante, aí sim partir para uma streaming de jogos.

 

Mas como a moda agora é tudo online ( até minha empresa quer mandar os pedidos em NUVEM e ferrou com um sistema de envio ótimo que tinha ), acaba que dão um passo maior que a perna, principalmente por forçarem demais um recurso que um número limitado de pessoas poderão adquirir e usar razoavelmente. 

 

Mas como todo ano a Google lança um produto mirabolante, como o Google Glass, acho que de 2013, em 2015 deixou de vender os protótipos para as pessoas e comercializou apenas com as empresas e ano passado estavam mudando completamente o projeto, pois o produto final havia ficado muito ruim e aquém das expectativas. Este serviço tem grandes chances de ter o mesmo destino do Google Glass.

O problema ai fica no licenciamento de software (pq Sony e Nintendo permitiriam seus hardwares funcionando numa tv tão livremente? PS: Não estamos falando dos casos das tvs da Sharp com NES e SNES imbutidos, esses são outros assuntos u.u) e obviamente o tamanho/peso/aquecimento da televisão.

Seria quase como um super pc pendurado em uma parede, e manter esse treco resfriado e funcionando perfeitamente por um bom tempo não é muito fácil.
PPS: pelo amor de deus, não me venham com Imac ou aqueles computadores merdas da Dell e HP....


Imagem Postada

Spoiler


#16 wowbagger_84

Postado 20 maro 2019 - 00:34

Sinceramente, achava muito mais viável uma televisão que já viesse com opções de baixar e rodar os jogos do PS4, XBOX ou Switch e Steam, do que isso. porque basicamente, as tvs tem conexões a internet hoje, a qualidade de processamento delas é imenso, seria adaptar para o videogame entrar nela ( e olhando o tamanho dos videogames, não acho impossível adequarem numa televisão!!!! ), com isso aumentando a compra de jogos digitais ( isso sim o caminho ), até a Gold do Xbox se tornaria interessante, aí sim partir para uma streaming de jogos.


O contraponto para essa ideia é simples: se fosse viável, tenho certeza que a Sony já teria lançado uma TV Bravia com PS4 embutido.

A gente tende a ver hardware de smart TV como bem poderoso, mas em linhas gerais são dispositivos com pouca RAM e CPUs análogas ao que você encontra num smartphone intermediário: quad-core, arquitetura ARM, clock baixo. É estranho dizer isso, mas hoje você não precisa de muito hardware para decodificar vídeo em 4K (eu tô falando de reprodução de vídeo/som, não de rodar jogos).

 

A Steam tentou, com as Steam Machines disputar espaço com os consoles e a ideia toda fracassou espetacularmente.

 

Além disso, não sei se muita gente ia curtir cooler fazendo barulho na TV na hora da novela haha.

 

Entretanto, algo do perfil do Switch pode ir parar dentro de uma TV sim. O difícil é a Nintendo curtir a ideia.
 

Mas como a moda agora é tudo online ( até minha empresa quer mandar os pedidos em NUVEM e ferrou com um sistema de envio ótimo que tinha ), acaba que dão um passo maior que a perna, principalmente por forçarem demais um recurso que um número limitado de pessoas poderão adquirir e usar razoavelmente. 
 
Mas como todo ano a Google lança um produto mirabolante, como o Google Glass, acho que de 2013, em 2015 deixou de vender os protótipos para as pessoas e comercializou apenas com as empresas e ano passado estavam mudando completamente o projeto, pois o produto final havia ficado muito ruim e aquém das expectativas. Este serviço tem grandes chances de ter o mesmo destino do Google Glass.


Isso é outro problema: o histórico recente do Google em termos de suporte a seus produtos é horrível. Parece que todo mês eles anunciam o cancelamento de alguma parada. Não me surpreende se essa coisa toda morrer ano que vem.


wowbagger_84.png


#17 Agent_47br

  •  Agent.47Br

Postado 20 maro 2019 - 01:47

Claro que há lados bons e ruins

Exemplo bom é o Switch rodar jogos pesados na qual não conseguiria, ainda q com todos problemas que o Streaming pode ter.

Lado ruim é o console da Google, eu li uma matéria e porra, 10.7 teraflops para rodar jogo streaming, é de ficar puto mano, pq fizeram um console "potente" para rodar porcaria, esse console vai fracassar e isso qualquer um consegue ver...

Pq Streaming é só em país de primeiro mundo, pelo menos na parte dos jogos, esses caras q gastam dinheiro para investir nesse mercado tem que sair da sua bolha e perceber q o mundo não é o EUA, Coreia do Sul, China, Canadá e etc., pois a maioria dos países não tem condição para esse tipo de serviço, e isso inclui o Brasil (que por sinal ainda nem temos previsão de suporte a PS Now)

Enviado de meu Mi A2 usando o Tapatalk

" Endure & Survive "

Agent_47Br.png

Recomendações | Vendo/Troco |

 


#18 WhBlaze

Postado 20 maro 2019 - 03:05

Claro que há lados bons e ruins

Exemplo bom é o Switch rodar jogos pesados na qual não conseguiria, ainda q com todos problemas que o Streaming pode ter.

Lado ruim é o console da Google, eu li uma matéria e porra, 10.7 teraflops para rodar jogo streaming, é de ficar puto mano, pq fizeram um console "potente" para rodar porcaria, esse console vai fracassar e isso qualquer um consegue ver...

Pq Streaming é só em país de primeiro mundo, pelo menos na parte dos jogos, esses caras q gastam dinheiro para investir nesse mercado tem que sair da sua bolha e perceber q o mundo não é o EUA, Coreia do Sul, China, Canadá e etc., pois a maioria dos países não tem condição para esse tipo de serviço, e isso inclui o Brasil (que por sinal ainda nem temos previsão de suporte a PS Now)

Enviado de meu Mi A2 usando o Tapatalk

Nem mesmo os países de primeiro mundo tem condição, esse é o maior problema.
Talvez a Coreia do sul por viver em torno de internet, mas é só.

Ignorando as limitações técnicas mencionadas pelo wow, da pra fazer uma ánalogia bem simples com o próprio brasil.

Eu residi na casa dos meus sogros no bonfiglioli por um bom tempo, vendo transição da fibra de 10Mb a 100MB antes de voltar permanentemente pra minha terra natal, mas se eu sair daquela zona do butantã & morumbi e rumar para guarulhos, a media de 100MB cai para 10Mb... e se eu voltar para minha terra natal, raramente eu vejo cruzar a zona dos 5 (vou ignorar a venda casada apaixonante das companhias de internet do brasil) apesar da vivo jurar que tem fibra de 100.
USA curiosamente segue esse mesmo padrão, se você pisar em NY "é óbvio" que vai ótimo, o mesmo serve para parte de LA. Mas se você mudar sua rota, as coisas começam a complicar um pouco, afinal, USA é geograficamente enorme e infestado de zonas onde a internet é ruim, ou até mesmo pior que a nossa... e essas áreas sustentam essa indústria tanto quanto os arredores do centrla park.

 

Ou seja, esse mundo ilusório só é cabível em setores bem limitados, ou para jogos que exigem bem menos do que já estamos acostumado, tornando toda essa conversa algo proximo de um tiro no escuro por parte de pessoas que parecem não ter percebido a amplitude do mercado... Sendo bem sincero, isso me lembra o turbografx16, que reutilizou a estratégia do japão sem perceber o tamanho o usa, fazendo marketing apenas em grandes centros esperando o nome se espalhar e virar um grande sucesso, ou seja, NY tinha propaganda e ninguém sabia wataporra era o console em NJ...


Imagem Postada

Spoiler


#19 NaniFelipe

    Se preocupação nos salvassem, eu me preocuparia o dia todo


  • 4.278 posts
  • Perfil no Portal
  •  Felipe Nani

Postado 20 maro 2019 - 08:05

é o retorno do onlive poh

tudo é mágico, perfeito, brilhante, funcional e lindo... até alguém usar e tentar jogar um jogo de corrida online... yei...

 

 

Falando serio por um segundo, eu acho que andamos dando passos mais longos do que a perna, internet (e o próprio youtube) se tornou a casa de todos os experts do mundo para cada assunto especifico, todo mundo entende de tudo, prega o futuro, mata mídias e por ai vai. Nós ainda nem tivemos a reação sobre o fechamento de servidores do ps3 e xbox360 (Ou seja, não sabemos se ele vem com revolta pelo orçamento perdido ou aceitação, afinal, foram os primeiros que o pessoal gastou algo) e já tivemos os assassinos de bluray, a internet magica, onlive é o futuro, ouya é brilhante, o retorno do cartucho/sd/flash card (que é o mais irritante pra mim, pois meu 3ds vive dando chilique com pinos e conectores... isso quando não é a merda da mola..) e agora isso...

 

Assim como você eu não acredito que vá da certo, para mim, o onlive foi a prova definitiva desse devaneio de verão, onde pessoas surtaram gritando "the futwa!" e rapidamente quebraram a cara. Mesmo para USa e Japão (dois dos maiores mercados) essa ideia é muito inviável e o próprio streaming de filmes andou tendo problemas, sendo forçado a subir o preço, começando a sobrecarregar com múltiplos serviços e pouco a pouco, se tornando algo similar a uma tv a cabo (modelo americano) com dez bilhões de canais e apenas uma cosia para se ver.
Enfim, são muitas avenidas e futuros prováveis jamais explorados, coisas que o mundo em si ainda não se adaptou mas o pessoal mais novo parece não entender e achar que são uma certeza \8
Serio, única diversão que eu tenho sobre essas bagunças é me divertir com os profetas do conhecimento pregando sua sabedoria e quando finalmente acontece, caindo a ficha e falando o contrario como se nunca tivessem dado o atestado de ignorância seletiva 8D

 

 

 

O problema ai fica no licenciamento de software (pq Sony e Nintendo permitiriam seus hardwares funcionando numa tv tão livremente? PS: Não estamos falando dos casos das tvs da Sharp com NES e SNES imbutidos, esses são outros assuntos u.u) e obviamente o tamanho/peso/aquecimento da televisão.

Seria quase como um super pc pendurado em uma parede, e manter esse treco resfriado e funcionando perfeitamente por um bom tempo não é muito fácil.
PPS: pelo amor de deus, não me venham com Imac ou aqueles computadores merdas da Dell e HP....

Mas estava pensando em cada um ter sua TV, tipo a Sony nela, Nintendo já teve a Sharp, quem sabe negociasse com outras, enfim. Não é fácil, mas acho mais realístico e próximo do que a ideia que o Google vendeu. Fora que cada vez mais as televisões tem jogos já embutidos nela, então tem um caminho a seguir.

 

E sobre o sistema streaming, a Netflix tem o jogo de escolhas do Minecraft, mas não foi muito bacana a experiência não, nem posso reclamar dos meus 30mb de download/upload de internet, magina quem tem menos. Mas estúdios point e click, ou antiga Telltale, poderiam experimentar vender direto pra Tv ou serviços de streaming, aí sim, tem chances.

 

O contraponto para essa ideia é simples: se fosse viável, tenho certeza que a Sony já teria lançado uma TV Bravia com PS4 embutido.

A gente tende a ver hardware de smart TV como bem poderoso, mas em linhas gerais são dispositivos com pouca RAM e CPUs análogas ao que você encontra num smartphone intermediário: quad-core, arquitetura ARM, clock baixo. É estranho dizer isso, mas hoje você não precisa de muito hardware para decodificar vídeo em 4K (eu tô falando de reprodução de vídeo/som, não de rodar jogos).

 

A Steam tentou, com as Steam Machines disputar espaço com os consoles e a ideia toda fracassou espetacularmente.

 

Além disso, não sei se muita gente ia curtir cooler fazendo barulho na TV na hora da novela haha.

 

Entretanto, algo do perfil do Switch pode ir parar dentro de uma TV sim. O difícil é a Nintendo curtir a ideia.
 


Isso é outro problema: o histórico recente do Google em termos de suporte a seus produtos é horrível. Parece que todo mês eles anunciam o cancelamento de alguma parada. Não me surpreende se essa coisa toda morrer ano que vem.

Então, creio que o problema inicial seja custa, obviamente. Uma TV top tem um custo alto ( 6k, 8k, 10k, são valores e não qualidade da TV kkkkkk ), colocar um videogame e toda tecnologia, seriam mais uns Ks a mais no valor. Embora como disse acima, tem-se crescido o número de televisão com jogos, alguns apps permitindo jogar na TV também, jogo um jogo de celular na TV ( faço a synchro com meu samsung e vejo na tela, bom pra visão ), então estou vendo uma possibilidade nela, o que não quer dizer que sairá perfeito ( levam-se anos para um acerto igual a Nintendo com o Switch, mas que há 20 anos atrás já haviam tentado e falharam ).

 

E o futuro dos games é, sem dúvidas, via celular. Ele é móvel, você está sempre com ele, não tem gastado tanta internet, então para algo do mundo de "videogames/pcs" funcionar, tem que ser muito bom. Eu estava com vontade de jogar Simcity, vi o Builders ( antigo, eu sei ) e baixei no celular, por falta de um bom pro videogame/pc. E me matou a vontade de jogar, tanto que fiquei sem tocar nos consoles. Por isso cada vez mais, deverão buscar a praticidade em coisas que já temos em casa, quanto mais acessórios precisar ( VR que o diga ), menor a adesão/introdução dele.


Imagem Postada


#20 FBanin

  • Nome:Fabiano Banin

Postado 20 maro 2019 - 08:32

Concordo com tudo que o colega wowbagger colocou. Mas eu achei que a apresentação foi muito legal, tecnologia fodida (mesmo que seja duvidosa).

 

Curti demais como foi mostrado, tudo que eles acham ser possível. Mas também não acredito que vingue. E o maior empecilho o wow já colocou, tempo de resposta entre controle/streaming/ação... para jogos mais lentos um tempo mais alto é até aceitável e se torna jogável... mas para jogos que a regra é agilidade... não vai funcionar tão bem. E pode ser em qualquer tipo de internet... fibra, ar, tecnologia alienigena... acredito que o futuro seja jogos como serviços... mas o modelo que acho mais viavel é o de assinar, fazer download (mesmo que temporariamente) e jogar localmente. Nada de streaming. Comentaram do Switch... e o PSVita também acaba fazendo streaming, mas estamos dizendo que ela fica em rede local... o console na sala e eu no quarto por exemplo, funciona bem... mas se colocar isso pela internet... já se vê que não funciona tão bem assim.


FBanin.png
 
Hall platinas / 100% PSN:
Spoiler




0 usuário(s) está(ão) lendo este tópico

0 membros, 0 visitantes, 0 membros anônimos