Ir para conteúdo


Foto

[Meio Bit] Diretor fala sobre a prática de escravidão no Conan Exiles.



  • Por favor, faça o login para responder
31 respostas neste tópico

#21 Tio_Maluco

    A única coisa em que todos somos iguais…é na morte.



  • 5.250 posts
  • Perfil no Portal
  • Nome:Jeff Neves Bisotto

Postado 17 maio 2018 - 12:36

Quanto mimimi por causa de um jogo, até parece que alguém aqui viveu a época da escravidão, vamos virar a pagina, superar isso e seguir em frente. Como bem falou o Morgan Freeman, “Se você fala sobre isso, isso existe. Não é que isto exista e nós nos recusamos a falar sobre isso. O problema aqui é fazer disso um problema maior do que ele precisa ser.”

 

Escravidão não existe mais! (Não do jeito que era no passado) 

Agora viremos o disco.


All Hail the God PS4!!!

Tio_Maluco.png?0.349460984426s-l300.jpg


#22 Evildead_br

Postado 17 maio 2018 - 13:41

Quanto mimimi por causa de um jogo, até parece que alguém aqui viveu a época da escravidão, vamos virar a pagina, superar isso e seguir em frente. Como bem falou o Morgan Freeman, “Se você fala sobre isso, isso existe. Não é que isto exista e nós nos recusamos a falar sobre isso. O problema aqui é fazer disso um problema maior do que ele precisa ser.”

 

Escravidão não existe mais! (Não do jeito que era no passado) 

Agora viremos o disco.

Tio, não existe isso para você, pra mim (e sou negro) que mora no Brasil. Nos Estados Unidos é outra coisa. A tensão racial lá ainda é muito forte. O Diretor bem disse " Direi que, sendo australiano, tenho menos bagagem cultural com a escravidão do que um americano teria, por exemplo. Eu não cresci com essa história, então é um pouco difícil para mim me colocar no lugar de qualquer pessoa que tenha isso […] Mas na história, isso é parte do mundo Hyboriano.". Ou seja,o tema escravidão, para um australiano, não causa nenhum desconforto. Por isso mesmo, não teve problema nenhum em por no jogo. Quero ver ele fazer um jogo onde o objetivo e matar aborígenes pra ver a confusão que ele teria que enfrentar.

 

Da mesma forma o Nazismo, antissemitismo não causam desconforto nos EUA e jogos como Wolfeinstein (que de forma alguma faz apologia ao Nazismo) são lançados lá numa boa. Já na Alemanha e Áustria não.

 

Também podemos citar o Japão onde suicídio, sexo, homossexualismo, pedofilia, erotização de crianças e objetificação das mulheres são temas recorrentes em animes, jogos e mangásmas que são mau vistos no ocidente, sendo inclusive censurados por aqui - pedofilia nos EUA e Europa é algo execrado pela sociedade. Mas olha só, Conan Exiles pode ser banido no Japão não pelo uso da escravidão, mas sim por causa de nudez explícita, que é proibido por lá.

 

Imagine se uma produtora lança um jogo onde você controla um criminoso e o seu objetivo é matar civis, policiais, roubar, estuprar etc, e que no fim este saísse ileso. Na situação atual do Brasil, isso com certeza seria alvo de polêmica, da mesma forma que temas sobre homossexualidade e religião sempre são.

 

O jogo em questão não está sendo criticado por mostrar a escravidão, mas sim por esta ser uma mecânica do jogo, uma coisa que o jogador é protagonista, o que para um australiano é normal, mas não para outras partes do mundo. Não é mimimi, mas sim questionamentos de pessoas que tem a bagagem cultural que o tal produtor não tem.



#23 jon86rodriguez

Postado 17 maio 2018 - 13:45

 

Escravidão não existe mais! (Não do jeito que era no passado) 

 

Sim...

 

Hoje ela vem em forma de "Platinas"  :coolface:



#24 katsu_gamer

  •  felipe_psnonline

Postado 17 maio 2018 - 15:15

Eu entendi o argumentos dos colegas citados aqui nesse tópico, porém não concordo como as coisas acontecem.

 

Um jogo como esse joga quem quer, não é como se onde você fosse visse algo relacionado ao jogo, a não ser que pesquise vídeos diretamente na internet ou um de seus amigos compartilhe em uma rede social. Se você não gosta da forma como abordam determinado assunto é só ignorar. Até porque se for assim, o humor negro não existiria, não teríamos tantos filmes e livros que abordam esses tabus e não buscam discutir de forma saudável nem nada.

 

Outro ponto que posiciono contra, é a sociedade evitar discutir certos assuntos por considerarem polêmicos (machismo, homofobia, pedofilia, assédio, depressão, nudez, sexo, etc) e muito dos problemas que acabam tendo ou podem ter é por evitá-los.

 

Um exemplo que temos no nosso próprio país: política, por causa da ditadura criou-se aquela ideia que não devemos discutir sobre, e mesmo como os movimentos pela democracia e nos dando direito ao voto, nunca fomos pessoas que discutiam ativamente sobre política, no máximo que se precisa fazer uma obra aqui, ajeitar a escola ali, comprar os medicamentos para o posto do bairro.

Agora vemos um país dividido politicamente, porém com um número maior de pessoas discutindo, investigando e acompanhando quem elege. Sugerindo leis e possíveis reformas. Só assim vamos melhorar o Brasil, pensar mais no coletivo do que em mim mesmo, candidato prometeu dar uma força ao pessoal daquele bairro, faz uma festa, paga um gás, água e foda-se as propostas do mesmo ou o quanto ele já roubou.

 

Até quando vamos evitar discutir esses assuntos por serem algo negativo na história do nosso país ou de uma pessoa ? Eu acredito no avanço de uma sociedade quando ela discute, analisa e aprende o que se pode tirar daquele feito, não adianta tentar ignorar que aquilo nunca aconteceu ou que um dia ninguém vai lembrar, porque vão lembrar sim e mesmo que já tenha passado vai deixar a sensação de que a sociedade não superou aquilo e por medo evita falar sobre para que isso nunca mais volte a ocorrer. Não é assim que funciona, superando aquilo e se discutindo abertamente sem medos e falsos moralismos, podemos fazer a abordagem que for no meio da ficção que não incomodaria ninguém, afinal aquilo ali é um passado que não pode ser mudado, porém já foi superado.


katsu_gamer.png


#25 Evildead_br

Postado 17 maio 2018 - 15:52

Eu entendi o argumentos dos colegas citados aqui nesse tópico, porém não concordo como as coisas acontecem.

 

Um jogo como esse joga quem quer, não é como se onde você fosse visse algo relacionado ao jogo, a não ser que pesquise vídeos diretamente na internet ou um de seus amigos compartilhe em uma rede social. Se você não gosta da forma como abordam determinado assunto é só ignorar. Até porque se for assim, o humor negro não existiria, não teríamos tantos filmes e livros que abordam esses tabus e não buscam discutir de forma saudável nem nada.

 

Outro ponto que posiciono contra, é a sociedade evitar discutir certos assuntos por considerarem polêmicos (machismo, homofobia, pedofilia, assédio, depressão, nudez, sexo, etc) e muito dos problemas que acabam tendo ou podem ter é por evitá-los.

 

Um exemplo que temos no nosso próprio país: política, por causa da ditadura criou-se aquela ideia que não devemos discutir sobre, e mesmo como os movimentos pela democracia e nos dando direito ao voto, nunca fomos pessoas que discutiam ativamente sobre política, no máximo que se precisa fazer uma obra aqui, ajeitar a escola ali, comprar os medicamentos para o posto do bairro.

Agora vemos um país dividido politicamente, porém com um número maior de pessoas discutindo, investigando e acompanhando quem elege. Sugerindo leis e possíveis reformas. Só assim vamos melhorar o Brasil, pensar mais no coletivo do que em mim mesmo, candidato prometeu dar uma força ao pessoal daquele bairro, faz uma festa, paga um gás, água e foda-se as propostas do mesmo ou o quanto ele já roubou.

 

Até quando vamos evitar discutir esses assuntos por serem algo negativo na história do nosso país ou de uma pessoa ? Eu acredito no avanço de uma sociedade quando ela discute, analisa e aprende o que se pode tirar daquele feito, não adianta tentar ignorar que aquilo nunca aconteceu ou que um dia ninguém vai lembrar, porque vão lembrar sim e mesmo que já tenha passado vai deixar a sensação de que a sociedade não superou aquilo e por medo evita falar sobre para que isso nunca mais volte a ocorrer. Não é assim que funciona, superando aquilo e se discutindo abertamente sem medos e falsos moralismos, podemos fazer a abordagem que for no meio da ficção que não incomodaria ninguém, afinal aquilo ali é um passado que não pode ser mudado, porém já foi superado.

Eu entendo e concordo com o seu ponto de vista. Entretanto, de acordo com o próprio diretor do jogo, a escravidão no jogo é utilizada para conseguir itens e melhorias pra cidade, isso através de tortura. Ela não está ali para ser discutida: é uma representação do que aconteceu na "vida real", e o jogador é protagonista disso. De novo, a resposta dele foi uma das melhores que já li: não se desculpou, não foi hipócrita, foi sim humilde o suficiente pra dizer que aquilo não o afetava justamente por não fazer parte da bagagem cultural dele. Tenho certeza que existem assuntos que o afetam como australiano, ser humano, pai, marido, etc e que ele não colocaria no jogo. E não tem nada de errado com isso, pois se analisarmos bem, muitos dos nosso atos podem causar repulsa a outras pessoas. Ora, se até comer carne causa repulsa em veganos - muitos nos nos chamam de carnistas, termo pejorativo para quem come carne.

 

Então o ponto central é que a escravidão não está presente no jogo para ser discutida e isso não é problema para um australiano que não tem uma bagagem cultural ou uma experiência com isso.

 

Vou citar um exemplo que presenciei... Infelizmente um amigo sofreu um acidente de trânsito: um motorista bêbado atingiu a moto que ele conduzia. Esse meu amigo ficou paralítico. Depois disso ele e a esposa começaram a se importar com a impunidade de quem causa acidentes embriagado, quando ele mesmo por diversas vezes dirigiu embriagado, e também começaram a fazer campanhas em prol da acessibilidade a cadeirantes. Antes do acidente, de infelizmente obterem essa "bagagem", ela não ligavam para esse tipo de coisa: não fazia parte do mundo deles. O mesmo vale para quem já sofreu abuso na infância, ou foi estuprado, sofreu violência doméstica: utilizar isso gratuitamente, fora de contexto em um jogo, causa sim a essas pessoas um mal estar. Elas tem o direito de criticar e é claro, de boicotar o jogo. :)

 

E você tem toda razão: o Brasil está do jeito que está justamente porque a maioria da população não discute, ou pior, não tem capacidade de discutir nada e passou a adotar  ideologias de políticos e pior, de youtubers. :)



#26 MiC_MarduK

  •  MiC_MarduK
  • Nome:Michel

Postado 17 maio 2018 - 16:01

Imagina se por causa da sensibilidade das pessoas nunca houvessem filmes sobre a 2ª guerra mundial? Filmes como a Vida é Bela, o Menino do Pijama Listrada e até O Resgate do Soldado Ryan, mostraram os horrores daquele conflito, chocando as pessoas e, quem sabe, contribuindo para que a humanidade não cometesse os mesmos erros. É claro que ainda vão haver muitas guerras no mundo, mas ignorar o problema e fingir que isso não existe não vai ajudar a educar as novas gerações, que podem se deixar levar pelos mesmos motivos históricos.

 

A Escravidão é a mesma coisa. Nos últimos 20 anos esse é um tópico recorrente em todo o mundo, e vem tornando a prática cada vez mais abominável... apesar de ainda existir, inclusive aqui em nossa terra do samba.

 

Então ao invés de censurar uma mídia tão incrível quanto os videogames, a gente deveria era reconhecer a sua importância. Destaco aquela famosa cena do aeroporto no Call of Duty Modern Warfare 2, onde o jogador estava infiltrado numa célula terrorista e é obrigado a cometer um atentado. Mesmo sabendo que é ficção, é bem perturbador imaginar que coisas parecidas já aconteceram pelo mundo.

 

Resumindo... CHEGA DE MIMIMI huiaheiuaiuehiehaiuea O politicamente correto está travestido de ignorância, na moral.

 

MiC_MarduK.png?0.275754129315

Street Fighter V CFN ID: MiCMarduK

Guias: Another World | Chivalry: Medieval Warfare

Recomendações

Spoiler

#27 katsu_gamer

  •  felipe_psnonline

Postado 17 maio 2018 - 17:01

Eu entendo e concordo com o seu ponto de vista. Entretanto, de acordo com o próprio diretor do jogo, a escravidão no jogo é utilizada para conseguir itens e melhorias pra cidade, isso através de tortura. Ela não está ali para ser discutida: é uma representação do que aconteceu na "vida real", e o jogador é protagonista disso. De novo, a resposta dele foi uma das melhores que já li: não se desculpou, não foi hipócrita, foi sim humilde o suficiente pra dizer que aquilo não o afetava justamente por não fazer parte da bagagem cultural dele. Tenho certeza que existem assuntos que o afetam como australiano, ser humano, pai, marido, etc e que ele não colocaria no jogo. E não tem nada de errado com isso, pois se analisarmos bem, muitos dos nosso atos podem causar repulsa a outras pessoas. Ora, se até comer carne causa repulsa em veganos - muitos nos nos chamam de carnistas, termo pejorativo para quem come carne.

 

Então o ponto central é que a escravidão não está presente no jogo para ser discutida e isso não é problema para um australiano que não tem uma bagagem cultural ou uma experiência com isso.

 

Vou citar um exemplo que presenciei... Infelizmente um amigo sofreu um acidente de trânsito: um motorista bêbado atingiu a moto que ele conduzia. Esse meu amigo ficou paralítico. Depois disso ele e a esposa começaram a se importar com a impunidade de quem causa acidentes embriagado, quando ele mesmo por diversas vezes dirigiu embriagado, e também começaram a fazer campanhas em prol da acessibilidade a cadeirantes. Antes do acidente, de infelizmente obterem essa "bagagem", ela não ligavam para esse tipo de coisa: não fazia parte do mundo deles. O mesmo vale para quem já sofreu abuso na infância, ou foi estuprado, sofreu violência doméstica: utilizar isso gratuitamente, fora de contexto em um jogo, causa sim a essas pessoas um mal estar. Elas tem o direito de criticar e é claro, de boicotar o jogo. :)

 

E você tem toda razão: o Brasil está do jeito que está justamente porque a maioria da população não discute, ou pior, não tem capacidade de discutir nada e passou a adotar  ideologias de políticos e pior, de youtubers. :)

 

Mas é por isso que falei que justamente por termos tabus na nossa sociedade que quando vemos algo disso citado em um meio ficcional é gerado uma enxurrada de críticas. Não disse que esse elemento no Conan Exiles tinha um valor educacional, mas por ser polêmico e evitado, quando empregado é criticado.

 

Você citou um ótimo exemplo do seu amigo, infelizmente ele aprendeu da pior forma, porque não discutimos certos assuntos como deveria.

 

Todo país tem suas cicatrizes e que tem más recordações quando as olham, porém é aprendendo como se as adquiriu, o por que e o que tirar disso que aprendemos a aceitá-las. Basicamente: não nego minha história, ela fez quem eu sou e ensinou no que devo melhorar.

 

Certa vez vi uma reportagem que dizia que o ser humano não tinha muito o que evoluir, fisicamente falando, coisas como ausência do dente siso, o apêndice, um músculo no braço (não lembro o nome kkkk), pelos no corpo seriam o máximo que mudaríamos com o passar do tempo. Até mesmo os atletas com todos os estudos científicos que há, medicamentos, métodos de treino e etc, vai chegar um tempo que não vai haver novos recordes sendo batidos.

 

Acredito que o próximo estágio de evolução do homo sapiens é justamente nesse campo do intelectual. Não digo só adquirir conhecimento, mas essa capacidade de discussão, a elevação intelectual. Qualquer assunto atual ou do passado vai ser discutido abertamente, sem rodeios e sem julgamentos. Troca de opiniões de maneira respeitosa. Quando e se acontecer é que são elas, mas apesar do mundo caminhar do jeito que tá, não vejo tão utópico assim, distante porém não impossível.


Editado por katsu_gamer, 17 maio 2018 - 17:03.

katsu_gamer.png


#28 Lucasgc45

  • Nome:Lucas

Postado 17 maio 2018 - 17:15

Basicamente o que as pessoas parecem que não entendem é que só porque o jogo aborda um tema, não necessariamente significa que ele apoia o mesmo, são coisas completamente diferentes...


lucasgc45.png

"O homem começa a morrer na idade em que perde o entusiasmo."

lucasgc45-jogo.png

Meus Guias:

Slain: Back From Hell | Bloodstained: Curse of the Moon

 


#29 Tio_Maluco

    A única coisa em que todos somos iguais…é na morte.



  • 5.250 posts
  • Perfil no Portal
  • Nome:Jeff Neves Bisotto

Postado 17 maio 2018 - 17:16

Imagina se por causa da sensibilidade das pessoas nunca houvessem filmes sobre a 2ª guerra mundial? Filmes como a Vida é Bela, o Menino do Pijama Listrada e até O Resgate do Soldado Ryan, mostraram os horrores daquele conflito, chocando as pessoas e, quem sabe, contribuindo para que a humanidade não cometesse os mesmos erros. É claro que ainda vão haver muitas guerras no mundo, mas ignorar o problema e fingir que isso não existe não vai ajudar a educar as novas gerações, que podem se deixar levar pelos mesmos motivos históricos.

 

A Escravidão é a mesma coisa. Nos últimos 20 anos esse é um tópico recorrente em todo o mundo, e vem tornando a prática cada vez mais abominável... apesar de ainda existir, inclusive aqui em nossa terra do samba.

 

Então ao invés de censurar uma mídia tão incrível quanto os videogames, a gente deveria era reconhecer a sua importância. Destaco aquela famosa cena do aeroporto no Call of Duty Modern Warfare 2, onde o jogador estava infiltrado numa célula terrorista e é obrigado a cometer um atentado. Mesmo sabendo que é ficção, é bem perturbador imaginar que coisas parecidas já aconteceram pelo mundo.

 

Resumindo... CHEGA DE MIMIMI huiaheiuaiuehiehaiuea O politicamente correto está travestido de ignorância, na moral.

Amigo, se falou de filmes da segunda guerra, o filme que mais emocionou o Tio e fez chorar praticamente o filme todo foi "O Tumulo dos Vagalumes". Triste pra caramba.


All Hail the God PS4!!!

Tio_Maluco.png?0.349460984426s-l300.jpg


#30 Evildead_br

Postado 17 maio 2018 - 19:07

Amigo, se falou de filmes da segunda guerra, o filme que mais emocionou o Tio e fez chorar praticamente o filme todo foi "O Tumulo dos Vagalumes". Triste pra caramba.

Tio, esse é muito triste... Japoneses sabem fazer homens chorar... :cuteness:



#31 MiC_MarduK

  •  MiC_MarduK
  • Nome:Michel

Postado 18 maio 2018 - 08:09

Amigo, se falou de filmes da segunda guerra, o filme que mais emocionou o Tio e fez chorar praticamente o filme todo foi "O Tumulo dos Vagalumes". Triste pra caramba.

 

Valeu pela indicação, Tio, ainda não vi esse...e olha que eu já vi MUITO filme de guerra nessa vida hauiehiuaheihauie


MiC_MarduK.png?0.275754129315

Street Fighter V CFN ID: MiCMarduK

Guias: Another World | Chivalry: Medieval Warfare

Recomendações

Spoiler

#32 washsou

Postado 18 maio 2018 - 10:46

Amigo, se falou de filmes da segunda guerra, o filme que mais emocionou o Tio e fez chorar praticamente o filme todo foi "O Tumulo dos Vagalumes". Triste pra caramba.

 

Esse você desenterrou Tio.

É uma obra singular e esta no meu top dez de historia tragicamente tristes.

Não recomendo assistir antes de um evento alegre.


washsou.png


 

Platinas e 100%


Spoiler




 

Recomendações


Inteligência é a habilidade de se adaptar as mudanças.






0 usuário(s) está(ão) lendo este tópico

0 membros, 0 visitantes, 0 membros anônimos